top of page

Leia também:

  • Foto do escritor PAULO ROSSETTI

A minha peri-implantite não é mais igual à sua. Isso é bom?

Atualizado: 30 de mai.


Naquela época, clínicos do mundo inteiro perguntavam:


1. O que isto vai mudar na minha prática?

2. Vamos classificar novamente todos os nossos pacientes com problemas periodontais e/ou peri-implantares?


Ambas as perguntas implicam em mudanças nas filosofias de tratamento e também nos custos associados. E como o assunto também interessa o setor de saúde pública, grupos do mundo inteiro saíram em busca de respostas.


Quatro ou cinco anos depois, uma delas se refere à mucosite peri-implantar e peri-implantite.


Originalmente, em 2015, quando o primeiro estudo foi publicado, os critérios adotados para definir peri-implantite eram: sangramento/pus à sondagem, perda óssea radiográfica ≥ 2mm e profundidade de sondagem ≥ 4mm. Um total de 96 pacientes e 225 implantes dentários. Isto gerou uma taxa de peri-implantite de 16% nos implantes.


Quando os mesmos participantes (95 em 96) foram chamados novamente, e os exames refeitos com novos critérios: sangramento/pus à sondagem, perda óssea radiográfica ≥ 3mm e profundidade de sondagem ≥ 6mm, a taxa de peri-implantite ficou em 3,4% nos implantes.


Respondendo às duas perguntas:

1. Sim, as taxas de peri-implantite podem ser menores

2. Sim, é necessário mudar a rotina clínica



Comments


bottom of page