top of page
  • Foto do escritor PAULO ROSSETTI

Congresso IN24: maxilares atróficos


Congresso IN24: maxilares atróficos no palco
Congresso IN24: maxilares atróficos no palco

No Congresso IN24, conceitos sobre o tratamento dos maxilares atróficos estarão no primeiro dia de programação.


Antes, vamos aos três pontos principais para vocês se prepararem:


Existe uma única classificação para os maxilares atróficos?

Não. Há várias classificações de maxilares atróficos. Entretanto, o conceito básico diz que o osso residual não teria mais espessura, largura e altura para colocarmos apenas os implantes dentários de tamanho e comprimento convencionais.

 

Do ponto de vista biomecânico, o que significa uma maxila ou uma mandíbula atrófica?

Cautela na interpretação pela tomografia computadorizada de feixe cônico, bem como nas diversas opções de planejamento para melhor distribuição das forças sobre a prótese e na interface osso e implante.

Ainda, o volume da prótese, a presença da flange de resina acrílica, e a altura da linha de sorriso são fatores ponderados no desenho final da reabilitação oral.


Quais são os tratamentos disponíveis até agora?

Em retrospectiva, os tratamentos usados variam desde enxertos autógenos em bloco, com materiais xenogênicos particulados, e também o uso de implantes dentários específicos, como os implantes pterigoideos e os zigomáticos, com diversas técnicas de posicionamento dentro e fora dos seios maxilares.


Agora, confira quem é quem no primeiro dia do IN24 sobre o tema:


Thiago Freire Lima
Thiago Freire Lima
Conferência (9:50-10:30h) - Thiago Freire Lima - Os limites da osseointegração: precisão e simplicidade no tratamento das atrofias severas dos maxilares
 

Rogerio Romeiro
Rogerio Romeiro
Conferência (17:50-18:30h) - Rogerio Romeiro - Conceitos atuais em reabilitação de maxilas atróficas


Nas redes:

@revistaimplantnews



Σχόλια


bottom of page