top of page

Leia também:

  • Foto do escritor PAULO ROSSETTI

O câncer bucal pode sobreviver mesmo sem glicose? Como?

Atualizado: 30 de mai.



O açúcar e o seu papel no câncer oral
O açúcar e o seu papel no câncer oral


Você  já ouviu que as células cancerígenas têm alto consumo de energia. Sim, muita glicose. E quando essa glicose acaba, o que elas fazem? Sem combustível, não tem carro que ande. O tumor deveria diminuir (autofagia celular).


Entretanto, para sobreviver, elas usam seu maquinário interno e produzem uma substância chamada fator de crescimento neural (NGF).


 

Pelo menos, é o que acontece com as células do carcinoma escamoso oral. Mais de 90% dos cânceres bucais são deste tipo. Afeta mais os homens do que as mulheres.

 

Um estudo em animais, feito na China, descobriu que essas células cancerígenas, na ausência de um estoque de glicose adequado, mudam parte do seu maquinário interno, gerando o fator de crescimento neural (NGF).


Esse fator faz com que as fibras nervosas próximas da lesão produzam a proteína relacionada ao gene da calcitonina (CGRP).

Coincidência: são as mesmas fibras nervosas que conduzem os impulsos que o nosso cérebro reconhece como dor (nocicepção).


Daí, a CGRP volta para a célula cancerosa, entra numa via de sinalização, e no final impede que as células do câncer se autodestruam (autofagia).


Felizmente, existe um medicamento, o rimegepant, aprovado pelo FDA para tratamento de enxaqueca em 2020, que impede a ação do CGRP, e quem sabe possa ter os mesmos efeitos nos seres humanos, ou seja, reduzir este tumor.


O estudo original está no link abaixo:



39 visualizações

Komentáře


bottom of page