top of page
  • Foto do escritor PAULO ROSSETTI

O fantasma dos 5% e a taxa de sobrevivência cumulativa no implante dentário

Atualizado: 22 de mar.


Taxas de sobrevivência são como tempestades nos implantes dentários
Taxas de sobrevivência são como tempestades nos implantes dentários

Na parte 1 desse post, falei sobre a taxa de sobrevivência dos implantes e como os 5% se comportam.


Entretanto, existe outro número: a taxa de sobrevivência cumulativa. O cálculo vem de um artigo clássico de 1958, desenhado para verificar essas taxas na terapia contra o câncer.


Desde então, parte desse trabalho é utilizada por nós, na Odontologia, para medir a taxa de sobrevivência cumulativa no implante dentário e na prótese fixa.


Vamos supor que você instale 400 implantes, e depois de 1 ano, tenha perdido apenas 3. A sua taxa de sobrevivência no período será: 397 sobreviventes / 400 total = 99,25%.


  • vamos chamar essa taxa de P (0 - 1 ano) = 99,25%


Automaticamente, a taxa acima, que envolve o período inicial, se torna a primeira taxa cumulativa na tabela.


Agora, supondo que no período entre 1 - 2 anos, você consiga examinar 267 implantes e tenha perdido 7 implantes. A sua taxa de sobrevivência no período entre 1 e 2 anos será:

260 / 267 = 97,37%.


  • vamos chamar essa taxa de P (1 - 2 anos) = 97,37%



A nova taxa cumulativa após 2 anos será:
  • 99,25% x 97,37% = 96,64%


Se no próximo período, independente do número de implantes que você examinar, nada for perdido, a sobrevivência é de 100%.


E a próxima taxa cumulativa continuará em 96,64%.


Importante: a taxa cumulativa recente é sempre a multiplicação da taxa cumulativa antiga x taxa de sobrevivência mais nova.


Isto explica porque as taxas de sobrevivência por períodos não podem ser iguais às taxas de sobrevivência cumulativas.


Com as perdas, a tendência cumulativa é sempre menor e se estabiliza quando todo o período de estudo terminar.


Comentários


bottom of page